Irregularidades no leilão de arroz: Governo anula certame e exonera Neri Geller

Fávaro esclarece sobre o pedido de demissão do Secretário de Política Agrícola, Neri Geller, após denúncia de irregularidades

O governo federal anulou nesta terça-feira (11) o leilão internacional de arroz, realizado pela Companhia Nacional de Abastecimento (Conab), devido a denúncias de irregularidades. As empresas vencedoras, que não atuavam no setor de arroz, geraram dúvidas sobre sua capacidade de importar as 263,7 mil toneladas arrematadas. Consequentemente, a falta de transparência no processo levou à anulação do certame.

Exoneração do Secretário de Política Agrícola

Neri Geller, secretário de Política Agrícola, pediu demissão na manhã desta terça-feira. Em resposta, o ministro da Agricultura, Carlos Fávaro, aceitou o pedido, destacando que Geller não faz mais parte do quadro de confiança do governo federal. As denúncias de conflito de interesses envolvendo Robson França, ex-assessor de Geller, cuja corretora participou do leilão, precipitaram a exoneração.

Denúncias e conflitos de interesses

As denúncias indicaram que a maioria dos lotes de arroz foi negociada pela Bolsa de Mercadorias de Mato Grosso (BMT) e pela Foco Corretora, de propriedade de Robson França. Esta situação evidenciou um possível conflito de interesses, considerando a ligação de França com Neri Geller. Como resultado, surgiram questionamentos sobre a legitimidade e a transparência do processo de leilão.

Objetivo do leilão

O leilão de arroz tinha como objetivo evitar a alta dos preços no mercado interno por meio da importação de grandes volumes do cereal. No entanto, a seleção de empresas sem histórico no mercado de arroz comprometeu a credibilidade do certame e desencadeou a anulação do leilão. A Conab, responsável por convocar as empresas, agora enfrenta a necessidade de revisar seus critérios e processos.

Medidas do Governo

O governo federal, ao anular o leilão e exonerar Geller, demonstra um esforço para corrigir as falhas e garantir a integridade dos processos de importação de alimentos. Além disso, o Ministério da Agricultura planeja iniciar um novo processo licitatório com critérios mais rigorosos para selecionar empresas qualificadas no setor de arroz.

Próximos Passos

Por fim, com a exoneração de Neri Geller e a anulação do leilão, o governo reforça seu compromisso com a transparência e a lisura dos processos administrativos. Em seguida, a nova licitação deverá garantir a participação de empresas capacitadas, assegurando o abastecimento adequado e evitando a alta dos preços do arroz, essencial na cesta básica dos brasileiros.

Veja também
Recentes