Criança com TDAH é agredida por professora e diretora em escola. Veja vídeo:

Um caso chocante de agressão em uma escola em São Paulo está ganhando repercussão nas redes sociais. Uma criança diagnosticada com Transtorno de Déficit de Atenção e Hiperatividade (TDAH) e Transtorno Opositivo Desafiador (TOD) foi agredida por uma professora e pela diretora da instituição. O menino, que já reclamava à mãe sobre o tratamento recebido na escola, relatou que era impedido de usar o banheiro e de beber água.

O incidente culminou quando a criança, em um episódio de fúria, quebrou uma porta. A partir desse momento, as agressões começaram. Este comportamento é comum em crianças com TDAH e TOD, que muitas vezes têm dificuldades em lidar com frustrações e limites impostos por figuras de autoridade. Esses transtornos do neurodesenvolvimento podem levar a comportamentos desafiadores e impulsivos, que exigem uma abordagem educacional específica e sensível.

O caso gerou um debate significativo sobre a preparação dos educadores para lidar com crianças que têm necessidades especiais. Especialistas como o Dr. Daniel Segenreich, psiquiatra, explicam que o tratamento e o manejo de crianças com TDAH e TOD devem ser feitos com cuidado e compreensão. A falta de treinamento adequado pode resultar em incidentes como o ocorrido em São Paulo.

A Lei 14.254/21 garante direitos específicos para crianças com TDAH, incluindo acompanhamento educacional apropriado. As escolas devem estar preparadas para oferecer suporte necessário, evitando situações de agressão e garantindo um ambiente seguro e acolhedor para o desenvolvimento dos alunos.

Este caso evidencia a necessidade de uma maior conscientização e treinamento para professores em relação ao manejo de crianças com transtornos de comportamento. É essencial que os educadores recebam formação adequada para lidar com esses alunos, garantindo que seus direitos sejam respeitados e que episódios de agressão sejam prevenidos.

Veja também
Recentes