Lula registra 54% de aprovação, segundo pesquisa Quaest

A pesquisa Quaest, encomendada pela Genial Investimentos, revelou um aumento na aprovação do presidente Luiz Inácio Lula da Silva para 54%, enquanto a reprovação caiu para 43%. Em maio, os números eram de 50% e 47%, respectivamente. O levantamento entrevistou 2 mil pessoas em 120 municípios entre os dias 5 e 8 de julho.

Destaques por segmentos

Entre os eleitores com renda familiar de até dois salários mínimos, a aprovação subiu de 62% para 69%. Além disso, entre as mulheres, a aprovação aumentou de 54% para 57%. Entre os evangélicos, a reprovação caiu de 52% para 42%, a menor desde outubro de 2023.

Quando analisamos por faixa etária, vemos que entre os eleitores de 16 a 34 anos, a aprovação de Lula manteve-se estável em 48%, enquanto a reprovação caiu de 50% para 47%. Nos eleitores de 35 a 59 anos, a aprovação aumentou de 50% para 56%, e a reprovação diminuiu de 48% para 41%. Por fim, entre aqueles com 60 anos ou mais, a aprovação subiu para 59%, e a reprovação caiu para 37%.

Perspectiva Geral do Governo

A percepção geral do governo Lula também melhorou. De acordo com a pesquisa, 36% dos entrevistados agora avaliam o governo positivamente, representando um aumento de três pontos percentuais em relação à pesquisa anterior. Além disso, a avaliação negativa caiu para 30%. Simultaneamente, 30% dos entrevistados consideram o governo regular. Portanto, esses dados indicam uma melhora na aprovação geral do governo, refletindo mudanças nas opiniões da população sobre a gestão atual.

Contexto econômico

Segundo Felipe Nunes, diretor da Quaest, a economia, que anteriormente era vista como o principal problema do país, perdeu protagonismo, caindo de 31% para 21%. Em contraste, a segurança, que anteriormente era uma preocupação menor, passou a ser vista como a principal preocupação dos entrevistados, aumentando de 10% para 19%. Dessa forma, é possível perceber uma mudança significativa nas prioridades da população, refletindo a dinâmica das questões sociais e econômicas no Brasil atualmente.

Veja também
Recentes