“Eu sou a própria polícia”, disse falso diácono antes de ser preso. Veja vídeo:

A recente denúncia da Arquidiocese de Brasília sobre o golpe de Marcos Antônio Oliveira Batista, de 27 anos, que se passou por diácono, trouxe à tona um vídeo gravado por ele em 2021. No vídeo, Marcos Antônio declara não temer as autoridades, afirmando ser “a própria polícia”.

A Arquidiocese de Brasília revelou que Marcos Antônio, conhecido por golpes anteriores, se apresentou como diácono para enganar fiéis e instituições religiosas. A denúncia reacendeu discussões sobre a facilidade com que indivíduos mal-intencionados conseguem se infiltrar em comunidades religiosas.

O vídeo, que voltou a circular na rede social X (antigo Twitter), mostra Marcos Antônio fazendo declarações audaciosas. Ele afirma trabalhar na polícia e alega que se a Polícia Federal estivesse atrás dele, já estaria preso. Essas declarações foram vistas como tentativas de intimidar e descredibilizar as denúncias contra ele.

Nos comentários do vídeo, os internautas relembraram outros golpes de Marcos Antônio. “A nossa fênix golpista. Quando a gente acha que ela virou poeira, ressurge das cinzas”, comentou um usuário. Outro brincou: “[Ele é] praticamente uma Barbie, que já trabalhou em todas as profissões!”. Alguns internautas compartilharam experiências pessoais com Marcos, mencionando como ele tentou se aproximar de figuras públicas e enganar pessoas com falsas promessas.

Marcos Antônio tem um histórico de golpes documentados nas redes sociais. Em 2021, uma página foi criada especificamente para compilar relatos de suas fraudes. Ele se apresentava sob diversas identidades e profissões, sempre com o objetivo de obter vantagens financeiras.

A Polícia Federal e outras autoridades estão cientes das atividades de Marcos Antônio. A recente denúncia da Arquidiocese pode servir como um alerta para outras comunidades religiosas e indivíduos. É essencial que todos estejam atentos a comportamentos suspeitos e verifiquem as credenciais de quem se apresenta como membro de instituições respeitáveis.

O caso de Marcos Antônio Oliveira Batista ressalta a importância da vigilância e verificação em todas as esferas da sociedade. Golpistas como ele se aproveitam da boa fé das pessoas, causando prejuízos e desconfiança. A divulgação de suas ações e a colaboração com as autoridades são fundamentais para evitar que novos golpes sejam aplicados.

Veja também
Recentes